VANTAGENS DO USO DA VISÃO COMPUTACIONAL NA INDÚSTRIA 4.0

Quando se fala de implementar os princípios da Indústria 4.0, deve-se notar que isso depende da capacidade coordenada de geração e gerenciamento de dados, e isto só ocorre de maneira eficiente se houver a execução de duas importantes atividades: integração de diferentes tecnologias e geração de dados a partir do sensoriamento qualificado.

A atividade de integração de diferentes tecnologias na indústria 4.0 assume como prioridade não somente a existência de comunicação entre dispositivos e softwares da linha industrial, mas também a maximização do retorno sobre estas interações. Por exemplo, se considerarmos a integração entre um braço robótico e um Sensor de Visão, trata-se de um caso que pode ir muito além da inspeção de qualidade de uma peça feita pelo conjunto Robô + Câmera. Também pode gerar dados gerenciais do tempo médio de inspeção, dos principais tipos de defeitos registrados e das principais regiões de ocorrência destes defeitos, o que gera maior poder de tomada de decisão.

Neste exemplo da integração Robô + Câmera, observa-se a importância da segunda atividade chave: a geração de dados a partir do sensoriamento qualificado. Para que se possa extrair todos os dados de interesse do exemplo citado (tipo de defeito, posição encontrada, tempo de inspeção médio…), é necessário que o sensor empregado possa agir como um sensor inteligente, gerando não somente a detecção de um defeito na inspeção, mas também a indicação de parâmetros de qualificação deste defeito.

A seguir, temos alguns exemplos destes parâmetros de qualificação em um processo de inspeção de defeitos em peças industriais:

  • Capacidade de identificação da posição em coordenadas do defeito localizado;
  • Identificação do tamanho do defeito;
  • Acompanhamento das trajetórias não uniformes de inspeção junto aos sistemas robóticos;
  • Capacidade de apresentar a progressão temporal de inspeção;
  • Qualificação de diferentes tipos de classes de defeitos na mesma peça ou região;
  • Possibilidade de criação de diferentes tipos de saídas e comunicações dado cada caso pré-programado de inspeção;
  • Capacidade de fazer comunicação em diferentes níveis e com diferentes tipos de equipamentos.

Dados estes exemplos, torna-se intuitivo visualizar que os Sensores e Sistemas de Visão podem se tornar a porta de entrada para a era da indústria 4.0, ou até mesmo facilitar o nível de maturidade do controle inteligente industrial.

Ficou com alguma dúvida? Você pode compreender melhor o tema lendo mais artigos na nossa Biblioteca de Artigos sobre Sistemas de Visão.

Gostou do artigo? Aproveite para visualizar algumas de nossas Aplicações:

Detecção de Defeitos em Peças de Borracha

Inspeção de Peças Automotivas

Controle Dimensional de Frascos

Inspeção de Blisters

ARTIGOS EM DESTAQUE

COMPONENTES DE SENSORES DE VISÃO INDUSTRIAL

PRINCIPAIS VANTAGENS DOS SENSORES DE VISÃO INDUSTRIAIS

O QUE SÃO SENSORES INDUSTRIAIS?

Compreender o universo dos Sensores de Visão Industriais pode parecer uma tarefa complexa, dada a enorme bagagem de tecnologia contida…

Apesar de serem compostos por mais componentes que os sensores convencionais da indústria, os Sensores de Visão estão ganhando cada vez mais espaço…

Quando se trata de automação aplicada à indústria, os sensores industriais apresentam-se como elementos essenciais para a base de qualquer sistema integrado e são componentes …

VANTAGENS DO USO DA VISÃO COMPUTACIONAL NA INDÚSTRIA 4.0

Quando se fala de implementar os princípios da Indústria 4.0, deve-se notar que isso depende da capacidade coordenada de geração e gerenciamento de dados, e isto só ocorre de maneira eficiente se houver a execução de duas importantes atividades: integração de diferentes tecnologias e geração de dados a partir do sensoriamento qualificado.

A atividade de integração de diferentes tecnologias na indústria 4.0 assume como prioridade não somente a existência de comunicação entre dispositivos e softwares da linha industrial, mas também a maximização do retorno sobre estas interações. Por exemplo, se considerarmos a integração entre um braço robótico e um Sensor de Visão, trata-se de um caso que pode ir muito além da inspeção de qualidade de uma peça feita pelo conjunto Robô + Câmera. Também pode gerar dados gerenciais do tempo médio de inspeção, dos principais tipos de defeitos registrados e das principais regiões de ocorrência destes defeitos, o que gera maior poder de tomada de decisão.

Neste exemplo da integração Robô + Câmera, observa-se a importância da segunda atividade chave: a geração de dados a partir do sensoriamento qualificado. Para que se possa extrair todos os dados de interesse do exemplo citado (tipo de defeito, posição encontrada, tempo de inspeção médio…), é necessário que o sensor empregado possa agir como um sensor inteligente, gerando não somente a detecção de um defeito na inspeção, mas também a indicação de parâmetros de qualificação deste defeito.

A seguir, temos alguns exemplos destes parâmetros de qualificação em um processo de inspeção de defeitos em peças industriais:

  • Capacidade de identificação da posição em coordenadas do defeito localizado;
  • Identificação do tamanho do defeito;
  • Acompanhamento das trajetórias não uniformes de inspeção junto aos sistemas robóticos;
  • Capacidade de apresentar a progressão temporal de inspeção;
  • Qualificação de diferentes tipos de classes de defeitos na mesma peça ou região;
  • Possibilidade de criação de diferentes tipos de saídas e comunicações dado cada caso pré-programado de inspeção;
  • Capacidade de fazer comunicação em diferentes níveis e com diferentes tipos de equipamentos.

Dados estes exemplos, torna-se intuitivo visualizar que os Sensores e Sistemas de Visão podem se tornar a porta de entrada para a era da indústria 4.0, ou até mesmo facilitar o nível de maturidade do controle inteligente industrial.

Ficou com alguma dúvida? Você pode compreender melhor o tema lendo mais artigos na nossa Biblioteca de Artigos sobre Sistemas de Visão.

Gostou do artigo? Aproveite para visualizar algumas de nossas Aplicações:

Detecção de Defeitos em Peças de Borracha

Inspeção de Peças Automotivas

Controle Dimensional de Frascos

Inspeção de Blisters

ARTIGOS EM DESTAQUE

COMPONENTES DE SENSORES DE VISÃO INDUSTRIAL

O QUE SÃO SENSORES INDUSTRIAIS?

PRINCIPAIS VANTAGENS DOS SENSORES DE VISÃO INDUSTRIAIS

Compreender o universo dos Sensores de Visão Industriais pode parecer uma tarefa complexa, dada a enorme bagagem de tecnologia contida …

Quando se trata de automação aplicada à indústria, os sensores industriais apresentam-se como elementos essenciais para a base de qualquer sistema integrado e são componentes …

Apesar de serem compostos por mais componentes que os sensores convencionais da indústria, os Sensores de Visão estão ganhando cada vez …

VANTAGENS DO USO DA VISÃO COMPUTACIONAL NA INDÚSTRIA 4.0

Quando se fala de implementar os princípios da Indústria 4.0, deve-se notar que isso depende da capacidade coordenada de geração e gerenciamento de dados, e isto só ocorre de maneira eficiente se houver a execução de duas importantes atividades: integração de diferentes tecnologias e geração de dados a partir do sensoriamento qualificado.

A atividade de integração de diferentes tecnologias na indústria 4.0 assume como prioridade não somente a existência de comunicação entre dispositivos e softwares da linha industrial, mas também a maximização do retorno sobre estas interações. Por exemplo, se considerarmos a integração entre um braço robótico e um Sensor de Visão, trata-se de um caso que pode ir muito além da inspeção de qualidade de uma peça feita pelo conjunto Robô + Câmera. Também pode gerar dados gerenciais do tempo médio de inspeção, dos principais tipos de defeitos registrados e das principais regiões de ocorrência destes defeitos, o que gera maior poder de tomada de decisão.

Neste exemplo da integração Robô + Câmera, observa-se a importância da segunda atividade chave: a geração de dados a partir do sensoriamento qualificado. Para que se possa extrair todos os dados de interesse do exemplo citado (tipo de defeito, posição encontrada, tempo de inspeção médio…), é necessário que o sensor empregado possa agir como um sensor inteligente, gerando não somente a detecção de um defeito na inspeção, mas também a indicação de parâmetros de qualificação deste defeito.

A seguir, temos alguns exemplos destes parâmetros de qualificação em um processo de inspeção de defeitos em peças industriais:

  • Capacidade de identificação da posição em coordenadas do defeito localizado;
  • Identificação do tamanho do defeito;
  • Acompanhamento das trajetórias não uniformes de inspeção junto aos sistemas robóticos;
  • Capacidade de apresentar a progressão temporal de inspeção;
  • Qualificação de diferentes tipos de classes de defeitos na mesma peça ou região;
  • Possibilidade de criação de diferentes tipos de saídas e comunicações dado cada caso pré-programado de inspeção;
  • Capacidade de fazer comunicação em diferentes níveis e com diferentes tipos de equipamentos.

Dados estes exemplos, torna-se intuitivo visualizar que os Sensores e Sistemas de Visão podem se tornar a porta de entrada para a era da indústria 4.0, ou até mesmo facilitar o nível de maturidade do controle inteligente industrial.

Ficou com alguma dúvida? Você pode compreender melhor o tema lendo mais artigos na nossa Biblioteca de Artigos sobre Sistemas de Visão.